Conteúdo do artigo

Importação de máquinas: Como preparar minha empresa?

Em primeiro lugar, como qualquer processo de nacionalização de produtos no Brasil, a Importação de Máquinas possui suas particularidades e requer bastante planejamento.

Se você nunca realizou uma Importação antes, acima de tudo, nesse caso, sua empresa precisa estar preparada para atuar no comércio exterior, isso significa autorização para tal, assim como planejamento e capacidade de execução.

Mas é possível sim importar Máquinas e pode ser muito mais vantajoso que as comprar no Brasil, independente da cotação do dólar.
Sem contar que muitas máquinas sequer são fabricadas ou comercializadas no Brasil, logo, é uma oportunidade de modernização para se destacar da concorrência.

Por isso, além de podermos ajudá-lo com todas as etapas, vamos lhe mostrar aqui como é possível preparar sua empresa para a Importação!

Por que preciso preparar minha empresa para importar máquinas?

Preparar a sua empresa para Importação de Máquinas é como se preparar para uma prova ou uma palestra, você pode ir sem estudar, sem se preparar, mas a probabilidade de sucesso será menor.

E é depois da compra e/ou do embarque do maquinário que a sua prova estará entregue para que seja testado o seu real preparo como importador diante dos custos e da operação.

Se estiver preparado, antes de mais nada, não haverá surpresas com custos e atrasos (dentro, claro, daquilo que podemos controlar).

Como preparar minha empresa para Importação de Máquinas?

Exemplo de máquina de grande porte para mineração. Fonte: https://www.sbmchina.com/equipments/

Uma simples palavra que poderia muito bem resumir a Importação de Máquinas é “planejamento”.

É o que ajudará na redução de custos tributários e logísticos, assim como nos imprevistos que podem afetar o tempo que levará para seu produto finalmente chegar a você (e estes imprevistos sempre acontecem, pode ter certeza disso).

Naturalmente que o conhecimento sobre Importação é essencial.

Diante disso, listamos aqui os preparativos que consideramos mais importantes para esta operação, antes mesmo de pagar pelo maquinário.

Habilitação no Radar Siscomex

Para realizar uma Importação Formal é necessário que sua empresa esteja habilitada para atuar no Comércio Exterior.

Esta habilitação é providenciada pelo Portal Habilita, dentro do Portal Único, e existem 3 modalidades no RADAR para Pessoas Jurídicas que variam conforme o volume financeiro semestral CIF (valor do produto + frete + seguro) importado:

. Expressa

. Limitada

. Ilimitada

Se a modalidade requerida for a Expressa, ela é concedida imediatamente pelo Portal, isto é, se sua empresa estiver em dia com o fisco.

Ela é destinada às empresas constituídas como sociedade anônima de capital aberto, empresa pública ou sociedade de economia mista.

A opção Limitada, são para empresas que vão importar por semestre até:
• US$50.000,00; ou
• Entre US$50.000,00 e US$150.000,00.

No caso da Ilimitada, são para valores acima dos US$150.000,00.

As modalidades Limitada e Ilimitada demandam mais trabalho por requererem uma série de documentos a serem apresentados à Aduana, que analisará, principalmente, a sua capacidade financeira.

Caso esteja tudo ok e não façam questionamentos (nem ocorram greves ou feriados no percurso), deve-se conseguir aprovação em até 10 dias.

Encontrar Fornecedores

Sabendo qual é a máquina que precisa e suas especificações, será preciso encontrar um fornecedor que tenha qualidade tanto no produto, quanto no atendimento (serviço).

Ou seja, sabemos que esta será uma relação comercial que perdurará mesmo depois da entrega da mercadoria.

Felizmente a busca online por fornecedores é acessível, seja pelos motores de busca tradicionais (Google e Bing) ou pelos específicos – também chamados de B2B (business to business), como a gigante Alibaba. Mas muito cuidado! Muitas empresas que aparecem “lindas” na internet, não são exatamente assim na vida real!

É necessário conhecer a capacidade produtiva da empresa, investigar o seu tempo de atuação no mercado, verificar se a empresa tem experiência em exportação para o país de destino e se há boas referências. Desta forma uma inspeção local e credenciamento do fornecedor / fabricante torna-se essencial.

Lembrando que sua pesquisa não pode se limitar a internet, é um começo, mas é necessário experiência para identificar fabricantes sérios.

Localizar novos fornecedores em feiras e eventos relacionados (tanto aqui, quanto fora do país), é igualmente válido para um início de negociação. No entanto, a verificação da idoneidade e capacidade técnica do fabricante, se possível in loco, é igualmente necessária.

Outra opção é encontrar um representante do fornecedor estrangeiro no Brasil, o que facilita no desenvolvimento da compra.

Há também empresas que realizam a inspeção de fábricas e produtos, tanto para confirmar sua existência, assim como para testar a qualidade da planta e daquilo que produz. Isso evita muitos problemas, especialmente na primeira operação com um novo fabricante.

Temos uma equipe sediada em nossos escritórios da China e Brasil especializada no desenvolvimento de fornecedores internacionais de maquinários. Caso queira ter mais segurança na seleção de um novo fornecedor de maquinário, não hesite em entrar em contato para discutirmos como podemos ajudá-lo.

Classificação Fiscal (NCM)

Em paralelo à procura e escolha de fornecedor, a Classificação Fiscal deve ser feita, pois é com ela que terá informação dos custos tributários envolvidos (II, IPI, PIS/PASEP, COFINS e ICMS).

Além do respectivo tratamento administrativo (a necessidade ou não de Licença de Importação com algum órgão anuente, por exemplo:

• (ANVISA, DECEX, INMETRO, IBAMA…) ou se há alguma restrição para a Importação.

Dependendo da Classificação Fiscal (NCM) em que a máquina se enquadra, é possível usufruir de benefícios fiscais como Ex-tarifário ou RECAP, que reduzem e isentam alguns desses tributos, mas é conversa para se aprofundar num futuro texto.

Para que a Classificação seja feita corretamente é preciso conhecer todas as características do produto.

Aí você pode achar “ah, mas isso é muito vago”, mas não, a própria Receita Federal exige:

III – descrição completa da mercadoria: todas as características necessárias à classificação fiscal, espécie, marca comercial, modelo, nome comercial ou científico e outros atributos estabelecidos pela Secretaria da Receita Federal do Brasil que confiram sua identidade comercial (…).

Decreto nº 6.759/2009, em seu Art. 711, §1º, inciso III

Enfim, toda essa pesquisa lhe ajudará, portanto, a montar a descrição da mercadoria, pois se houver alguma omissão ou erro, tanto na descrição, quanto na classificação fiscal, correrá o risco de sofrer uma multa equivalente a 1% do Valor Aduaneiro.

Essas responsabilidades pertencem ao importador e sim, seu exportador tem a obrigação de fornecer as informações que precisa para descrever e classificar a mercadoria, mas cabe a você solicitar e muitas vezes checar descrições técnicas compatíveis com a regra do país onde será importada a máquina, quais os equipamentos auxiliares que acompanham a máquina ou conjunto, exigir fotos que comprovem, etc.

Negociar com o fornecedor

Máquina Briquetadeira

Definido o fornecedor e o modelo, é necessário negociar todos os pormenores que envolvam a parte de pagamento da máquina: de quem será a responsabilidade de pagar custos da embalagem de origem do produto, transporte interno de origem, documentação, taxas, despesas e liberação aduaneira na origem e principalmente frete e seguro internacional?

Também é necessário, verificar os custos com a futura instalação da máquina, se será preciso o envio de um técnico pelo fabricante para instalação do maquinário ou apenas as instruções ou manuais serão suficientes. O fabricante irá disponibilizar o manual em qual idioma?

É essencial negociar com o fabricante as adequações do maquinário para o mercado brasileiro. Detalhes importantes como ajustes de potência e frequência de motores (o Brasil utiliza a frequência de 60HZ enquanto na maioria dos outros países a frequência é de 50HZ), componentes que tenham assistência técnica no Brasil, peças de reposição, etc.

Também é importante atenção quanto aos prazos operacionais para compensação de pagamentos internacionais, tempos de produção e estimativas de entrega do produto acabado. Tudo isso deve ser negociado antes do fechamento do negócio.

Planejar a operação e estimar custos da Importação

Máquina dobradeira comumente utilizada na indústria siderúrgica

Definidos o modelo, fornecedor, valor da máquina e a Classificação Fiscal, agora é hora de planejar a operação logística para, enfim, saber todos os custos da Importação.

Estamos falando em definir o acondicionamento da carga, embalagem, onde vai embarcar e desembarcar…

Especialmente no caso de transporte internacional, dependendo das dimensões e peso da sua máquina, pode ser que precise de containers especiais como: Platform ou Flat Rack, ou seja mais barato até por aéreo, caso as dimensões e características permitam a viabilidade.

Acredite, uma máquina de 100Kg pode ser, facilmente, mais viável importar de avião.

É preciso também estimar os custos no terminal alfandegado de destino (onde será feito o Despacho Aduaneiro), essa é uma conta feita em conjunto com o modo de transporte escolhido. Bem como ter cuidado com a Demurrage de Contêiner, com o custo de transporte rodoviário nacional, Despachante Aduaneiro etc… mais assuntos para nos aprofundarmos em futuros textos 😉

Fluxo de Caixa na Importação de Máquinas

A Importação de Máquinas não costuma ser barata em razão do alto valor agregado, assim a sua fabricação do produto pode levar meses. Por isso é comum que os fornecedores solicitem um adiantamento para a produção e o restante seja pago após a conclusão da fabricação, antes do embarque, especialmente em se tratando de algo que não se mantenha em estoque.

Existem outras opções de pagamento como: Remessa, Carta de Crédito, Contra Documentos…, mas deixemos para nos aprofundar em futuros textos.

Muitos custos da Importação podem ser pagos depois que a carga chega no Brasil (frete, tributos, armazenagem…), mas normalmente antes de retirá-la para carregamento.

De modo geral, quanto maior o tamanho, peso e valor da máquina, maior será o custo, não só do seu fornecedor, mas da operação como um todo.

Logo, é essencial ter $caixa$ para bancar tudo isso, mesmo que seja oriundo de financiamentos nacionais ou internacionais (como o FINIMP).

Precisa de ajuda com sua Importação de Máquinas?

E você, ficou com dúvidas a respeito do que conversamos? Deseja realizar uma Importação de Máquinas? Estamos aqui para esclarecer suas dúvidas e lhe ajudar em todas as etapas!

Últimas notícias

Guia sobre importação por conta e ordem

Nesse artigo vamos falar um pouco sobre uma modalidade de importação utilizada de forma recorrente por alguns importadores brasileiros, mas ainda desconhecida por muitos: a