Conteúdo do artigo

O planejamento logístico na importação de máquinas e equipamentos

O planejamento logístico para importação de máquinas e equipamentos é de muita importância e exige bastante cuidado para evitar custos elevados, avarias e conseguir atender as expectativas de tempo para recebimento do maquinário.

Devem ser considerados alguns pontos como:

Qual será o Incoterm da negociação? 

O Incoterm é quem definirá as responsabilidades do importador e exportador com custos de embalagem, transporte e demais despesas. 

De quem serão os custos com transporte e até que local especificamente é obrigação do fabricante / importador entregar / receber o equipamento?

Por exemplo, no Incoterm FOB, o exportador se responsabiliza com o custo do transporte até a primeira murada do navio, incluindo-se os custos e despesas no porto de origem. Já em outros Incoterms como o Ex Works, por exemplo, a responsabilidade de transporte e demais despesas na origem e destino são todos do importador. 

Importante conhecer bem os Incoterms para planejar toda a parte de transporte que caberá a você importador, contratar.

Devo optar por frete aéreo, marítimo ou terrestre? 

Fretes aéreos são mais rápidos, porém mais caros. Os valores variam de acordo com o volume e peso da carga para ambos os casos. 

No caso de equipamentos relativamente pesados e de alto volume recomenda-se o transporte marítimo, mas nada impede que sejam transportados via aéreo. 

Tanto na entrega no porto de origem quanto do porto de destino ao endereço do importador geralmente são utilizados transportes terrestres como caminhões, carretas, etc, mas também podem ser utilizados diversos outros como trem, avião, barco, etc.. O que acaba tornando a operação naturalmente multimodal, onde utilizam-se diferentes tipos de transportes.

Qual será o porto ou aeroporto de destino? 

Optar por Portos próximos ao destino da máquina é importante, pois reduz a distância de percurso entre o porto e endereço final e pode significar redução de custos.

Todavia é interessante analisar as possibilidades de rotas e os custos para portos / aeroportos diferentes que possuem mais movimentações de carga para entender qual poderá atender melhor a sua necessidade. Algumas rotas para certos portos são mais escassas e demoradas enquanto outras podem ser mais disponíveis em portos maiores trazendo economia de valores e tempo.

O que é o transporte via DTA? Posso considerar trazer a carga de um recinto alfandegado de um porto a outro para nacionalização?

 A declaração de trânsito aduaneiro que permite a circulação do equipamento dentro do território nacional antes mesmo que sejam pagos os tributos, os quais deverão ser quitados no recinto alfandegado de destino seja em outros Portos ou Aeroportos ou outros locais onde haja uma das unidades da Receita Federal para fins alfandegários. 

É possível transportar a carga de um porto a outro via transporte terrestre na modalidade DTA. A nacionalização da mercadoria ocorrerá no porto seguinte. Muitas vezes por questões de custos e disponibilidade de rotas, pode ser uma boa opção.

Alguns estados possuem legislações específicas quanto a tributação de ICMS. Vale a pena checar sua legislação estadual e verificar se há alguma exigência para que desembaraço seja realizado no estado de destino. Nestes casos, o transporte DTA pode ser necessário. 

É necessária a montagem e desmontagem do equipamento para o carregamento? E quais os cuidados com embalagem?

Alguns equipamentos pelo tamanho podem vir todos desmontados ou já vir totalmente montados. Importante checar, pois muitas vezes, nos casos dos que precisam de montagem posterior, pode ser necessária a presença de um técnico especializado e até mesmo um técnico da empresa fabricante com expertise para tal.

Importante que a todo o equipamento esteja bem acondicionado para evitar movimentações bruscas com o balanço do transporte no mar. Até mesmo uma boa embalagem pode evitar ferrugens e deteriorações pelo mau manuseio. Pois em muitos casos o equipamento pode ser transportado por várias semanas, até meses!

Dependendo do tamanho do item ou itens, nos fretes marítimos, o equipamento pode vir em containers compartilhados. 

Porém para equipamentos maiores ou conjuntos de equipamentos, muitas vezes faz-se necessário carregá-los em contêineres de 20 a 40′ pés. 

Algumas máquinas ultrapassam a altura limite de um contêiner comum e precisam de contêineres especiais como os de alta cubagem (High Cube ou HC) e o flat rack, espécie de contêiner todo aberto que não possui o teto e as laterais. 

É comumente utilizado para equipamentos de grande dimensão e peso que ultrapassam os demais modelos.

Decididos os pontos acima, importante verificar se a máquina será retirada (desovada) do contêiner na chegada ao porto e seguirá com seu devido carregamento em transporte terrestre ou se tal desova ocorrerá no local de destino. 

Algumas máquinas são mais frágeis, e a movimentação sem alguns cuidados pode trazer danos. Portanto, pode ser muito válido estudar qual a melhor opção de movimentação da máquina considerando os riscos, custos e benefícios para cada opção.

Lembre-se, a logística de maquinas e equipamentos pode ser bastante complexa e deve sempre ser planejada com antecedência e com todos os detalhes, evitando surpresas desagradáveis.

Últimas notícias

Drawback: O que é? Qual o objetivo?

Apesar de pouco convencional e até um tanto desconhecida, esta palavra pode ajudar bastante as empresas que trabalham no comércio internacional. Sabia que existe a